Abertura Coronária e Resistência a Fratura

A resistência a fratura obviamente depende do remanescente coronário. Assim, não devemos nos preocupar apenas com o limite transversal de nossa instrumentação, mas também em preservar tecido durante o acesso cavitário. O fato é que devemos equilibrar o desgaste para visualizar corretamente a entrada dos canais e a preservação de dentina/esmalte. Assista o vídeo abaixo.

Se gostou, tem dúvidas, críticas ou sugestões, deixe o seu comentário abaixo!

Não deixe de se inscrever no nosso blog e canal do YouTube. Em breve várias aulas e material para você aperfeiçoar sua prática clínica.

Sorria! Sucesso!

Forte abraço!

Welington

32 Comentários


  1. Parabéns pela aula, pela preocupação em produzir um bom vídeo e pela bondade em expandir conhecimento.

    Responder

    1. Olá Edite! Muito obrigado pela participação e pelo interesse. Fico feliz em poder contribuir para a sua prática clínica e espero aprender muito também com os visitantes do blog e com esta experiência na internet. Sucesso! Forte abraço! WPJ.

      Responder

  2. Teacher, Parabéns por compartilhar um pouco mais do seu conhecimento, e Endodontia é isso mesmo!!! Fico muito feliz em ter mais um meio de aprendizagem para a pratica diária. Gostaria de ver um pouco mais a respeito de anatomia. Mais uma vez parabéns pela iniciativa, sucesso. Forte abraço Elizabeth

    Responder

    1. Olá Elizabeth! Muito obrigado pelo interesse e pela mensagem! Quanto à anatomia, pretendo fazer alguns vídeos mostrando a abertura coronária na prática. Aguarde! Teremos novidades em breve! Forte abraço! WPJ

      Responder

    1. Olá Lilian! Muito obrigado pela mensagem e pelo interesse! Conte comigo nesta caminhada! Pretendo aprender muito também com todos os visitantes do blog e com esta experiência de falar para milhares de pessoas a milhares de quilômetros de distância. Sucesso! Forte abraço, WPJ.

      Responder

  3. Welington
    Muito bom seu vídeo, bem didático, gostei dessa iniciativa e vou acompanhar todos.
    Parabéns!
    Em relação a abertura concordo com sua filosofia, hoje em dia como você disse a gente vê aberturas ultra-conservadoras que eu particularmente também acho exagero.
    Sou aluna de especialização em Endodontia e conheci um pouco do seu trabalho pois você é professor de uma prima minha que mora em Brasília, aluna de graduação e te elogia muito.

    Mais uma vez parabéns pelo vídeo e continue que a gente gosta, rsrs
    Abraço

    Responder

    1. Olá Laís! Muito obrigado pelo interesse e pela mensagem! Que legal sua prima ser minha aluna, fico feliz que ela também esteja gostando de endodontia! Quando vier a Brasília, nos visite lá na faculdade! Será um prazer recebê-la. Sucesso! Forte abraço! WPJ.

      Responder

    1. Olá Francisco! Muito obrigado pela participação e pelo interesse! Seguem abaixo algumas referências recomendadas pela AAE em 1997; veja que não é novidade esta discussão. Forte abraço! WPJ

      Abou-Rass M. Crack lines: precursors of tooth fractures-their diagnosis and treatment. Quint Int 1983;4:437.
      Andreasen JO, Andreasen FM. Textbook and Color Atlas of Traumatic Injuries to the Teeth, 3rd edition, Copenhagen, Munksgaard, 1994;279-314.
      Bender IB, Freedland JB. Adult root fracture. J Am Dent Assoc 1983;107:413-419.
      Bender IB, Freedland JB. Clinical considerations in the diagnosis and treatment of intra-alveolar root fractures. J Am Dent Assoc 1983;107:595-600.
      Blaser P, Lund M, Cochran M, et al. Effects of designs of Class II preparations on resistance of teeth to fracture. Oper Dent 1983;8:11.
      Brown W, Jacobs H, Thompson R. Thermal fatigue in teeth. J Dent Res 1972;51:461.
      Burke F. Tooth fracture in vivo and in vitro. J Dent 1992;20:131.
      Cameron CE. The cracked-tooth syndrome: Additional findings. J Am Dent Assoc 1976;93:971-975.
      Cameron CE. Cracked-tooth syndrome. J Am Dent Assoc 1964;68:405-411.
      Carter J, Sorenson S, Johnson R, et al. Punch shear testing of extracted vital and endodontically treated teeth. J Biomech 1983;16(10):841.
      Caufield JB. Hairline tooth fracture: A clinical case report. J Am Dent Assoc 1981;102:501-502.
      Cavel W, Kelsey W, Blankenau R. An in vivo study of cuspal fracture. J Prosthet Dent 1985;53:38.
      Christiensen G. The cracked tooth syndrome: A pragmatic treatment approach. J Am Dent Assoc 1993;124:107.
      Dang D, Walton R. Vertical root fracture and root distortion: Effect of spreader design. J Endodont 1989;15:294.
      Eakle W, Maxwell E, Braley B. Fractures of posterior teeth in adults. J Am Dent Assoc 1986;112:215.
      Ehrmann E, Tyas M. Cracked tooth syndrome: diagnosis, treatment and correlation between symptoms and post-extraction findings. Aust Dent J 1990;35:105.
      Feiglin B. Clinical management of transverse root fractures. Dent Clin North Am 1995;39:53-78.
      FM, Daugaard-Jensen J, Munksgaard EC. Reinforcement of bonded crown fractured incisors with porcelain veneers. Endod Dent Traumatol 1991;7:78-83.
      Gehr M, Denlap R, Anderson M, Kuhl L. Clinical survey of fractured teeth. J Am Dent Assoc 1987;114:174.
      Gibbs JW. Cuspal fracture odontalgia. Dent Dig 1954;60:158-160.
      Gutmann JL, Everett Gutmann MS. Cause, incidence, and prevention of trauma to teeth. Dent Clin North Am 1995;39:1-14.
      Gutmann JL, Harrison JW. Surgical Endodontics. Boston, Blackwell Scientific Publications, 1991;360,368.
      Gutmann JL, Rakusin H. Endodontic and restorative management of incompletely fractured molar teeth. Int Endod J 1994;27:343-348.
      Harper R, et al. In vivo measurement of thermal diffusion through restorative material. J Prosthet Dent 1980;42:180.
      Harrington G. The perio-endo question: Differential diagnosis. Dent Clin North Am 1979;23:673.
      Harvey T, White J, Leeb I. Lateral condensation stress in root canals. J Endodont 1981;7:151.
      Hiatt WH. Incomplete crown-root fracture in pulpal-periodontal disease. J Periodontol 1973;44:369-379.
      Holcomb Q, Pitts D, Nicholls J. Further investigation of spreader loads required to cause vertical root fracture during lateral condensation. J Endodont 1987;13:277.
      Howe C, McKendry D. Effect of endodontic access preparation on resistance to crown-root fracture. J Am Dent Assoc 1990;121:712.
      Huang T-J, Schilder H, Nathanson D. Effect of moisture content and endodontic treatment on some mechanical properties of human dentin. J Endodont 18:209, 1992.
      Johnson J, Schwartz H, Blackwell R. Evaluation and restoration of endodontically treated posterior teeth. J Am Dent Assoc 93:597, 1976.
      Josell SD. Evaluation, diagnosis, and treatment of the traumatized patient. Dent Clin North Am 1995; 39:15-24.
      Lagouvandos P, Sourai P, Donvitsas G. Coronal fractures in posterior teeth. Oper Dent 14:28, 1989.
      Lindahl B. Transverse intra-alveolar root fractures: roentgen diagnosis and prognosis. Odontol Revy 1958; 9:10-24.
      Lommel TJ, Meister F, Gerstein H, Davies EE, Tilk MA. Alveolar bone loss associated with vertical root fractures. Report of six cases. Oral Surg Oral Med Oral Pathol 1978; 45:909-919.
      Luebke RG. Vertical crown-root fractures in posterior teeth. Dent Clin North Am 1984; 28:883-894.
      Matusow RJ. Endodontic complications of root fractures. J Am Dent Assoc 1987; 114:766.
      Maxwell EH, Braly BV. Incomplete tooth fracture—prediction and prevention. Calif Dent Assoc J 1977; 5(10):51-55.
      Meister F, Lommel T, Gerstein H. Diagnosis and possible causes of vertical root fractures. Oral Surg Oral Med Oral Pathol 49:243, 1980.
      Meister F, Lommel TJ, Gerstein H. Diagnosis and possible causes of vertical root fractures. Oral Surg Oral Med Oral Pathol 1980; 49:243-253.
      Michelich R, Smith G, Walton R. Vertical root fracture: Clinical features (unpublished).
      Milot P, Stein R. Root fracture in endodontically treated teeth related to post selection and crown design. J Prosthet Dent 68:428, 1992.
      Munksgaard EC, Hojtved L, Jorgensen EHW, et al. Enamel-dentin crown fractures bonded with various agents. Endod Dent Traumatol 1991; 7:73-77.
      Murgel C, Walton R. Vertical root fracture and dentin deformation in curved roots: the influence of spreader design. Enododont Traumatol 6:273, 1990.
      Obermayr G, Walton R, Leary M, Krell K. Vertical root fracture and relative deformation during obturation and post-cementation. J Prosthet Dent 66:181, 1991.
      Pitts DL, Natkin E. Diagnosis and treatment of vertical root fractures. J Endod 1983; 9:338-346.
      Rauschenberger CR, Hovland EJ. Clinical management of crown fractures. Dent Clin North Am 1995; 39:25-52.
      Re G, Norling B, Draheim R. Fracture resistance of lower molars with varying facio-occlusolingual amalgam restorations. J Prosthet Dent 47:518, 1982.
      Reeh E, Douglas W, Messer H. Stiffness of endodontically-treated teeth related to restoration technique. J Dent Res 68:1540, 1989.
      Reeh E, Messer H, Douglas W. Reduction in tooth stiffness as a result of endodontic and restorative procedures. J Endodont 15:512, 1989.
      Renson CE, Braden M. The experimental determination of the rigidity modulus, Poisson’s ratio and the elastic limit in shear of human dentin. Arch Oral Biol 20:43, 1975.
      Ritchey B, Mendenhall R, Orban B. Pulpitis resulting from incomplete tooth fracture. Oral Surg Oral Med Oral Pathol 1957; 10:665-670.
      Rivera E, Yamauchi M. Dentin collagen cross-links of root-filled and normal teeth (Abstract). J Endodont 16:190, 1990.
      Rosen H. Cracked tooth syndrome. J Prosthet Dent 47:36-43, 1982.
      Ross RS, Nicholls JI, Harrington GW. A comparison of strains generated during placement of five endodontic posts. J Endod 1991; 17:450-456.
      Rud J, Onmell D. Root fractures due to corrosion: Diagnostic aspects. Scand J Dent Res 78:397, 1970.
      Salis S, Hood J, Kirk E. Impact-fracture energy of human premolar teeth. J Prosthet Dent 58:43, 1987.
      Schweitzer JL, Gutmann JL, Bliss RQ. Odontiatrogenic tooth fracture. Int Endod J 1989; 22:64-74.
      Sedgley C, Messer H. Are endodontically treated teeth more brittle? J Endodont 18:332, 1992.
      Silvestri AR. The undiagnosed split-root syndrome. J Am Dent Assoc 1976; 92:930-935.
      Silvestri A, Singh I. Treatment rationale of fractured posterior teeth. J Am Dent Assoc 97:806, 1978.
      Sorenson J, Englemen M. Ferrule design and fracture resistance of endodontically treated teeth. J Prosthet Dent 63:529,1990.
      Sornkul E, Stannas J. Strength of roots before and after endodontic treatment and restoration. J Endodont 18:440, 1992.
      Standlee J, Caputo A, Collard E, Pollack M. Analysis of stress distribution by endodontic posts. Oral Surg Oral med Oral Pathol 33:952, 1972.
      Stewart G. The detection and treatment of vertical root fractures. J Endodont 14:47, 1988.
      Stewart GG. Clinical application of glass ionomer cements in endodontics: Case reports. Int Endod J 1990; 23:172-178.
      Sutton PRN. Greenstick fracture of the tooth crown. Br Dent J 1962; 112:362-363.
      Tamse A. Iatrogenic vertical root fractures in endodontically treated teeth. Endodont Dent Traumatol 4:190, 1988.
      Trope M, Ray H. Resistance to fracture of endodontically treated roots. Oral Surg Oral Med Oral Pathol 73:99, 1992.
      Trope M, Maltz D, Tronstad L. Resistance to fracture of restored endodontically treated teeth. Endodont Dent Traumatol 1:108, 1985.
      Trope M, Langer I, Maltz D, Tronstad L. Resistance to fracture of restored endodontically treated premolars. Endodont Dent Traumatol 2:35, 1986.
      Trope M, Rosenberg E. Multidisciplinary approach to repair of vertically fractured teeth. J Endodont 18:460, 1992.
      Trope M, Tronstad L. Resistance to fracture of endodontically treated premolars restored with glass ionomer cement or acid etch composite resin. J Endod 1991; 17:257-259.
      Walton R, Michelich R, Smith G. The histopathogenesis of vertical root fractures. J Endodont 10:48, 1984.
      Weibusch FB. Hairline fracture of a cusp: Report of a case. J Can Dent Assoc 1972; 38:192-194.
      Zachrisson BU, Jacobsen I. Long term prognosis of 66 permanent anterior teeth with root fracture. Scand J Dent Res 1975; 83:345-354.

      Responder

  4. Professor Welington;

    Adorei a aula sobre abertura coronária. Muito bom o site e um grande instrumento para o aprimoramento de habilidades,bem como,intensifica o aprendizado contínuo. O senhor é um grande Mestre.Saudade professor.

    Responder

    1. Olá Shyrlainer! Muito obrigado pela mensagem e pelos elogios! Espero poder contribuir com todos os visitantes do blog e aprender com vocês também, ou seja, trocarmos experiências para o crescimento da especialidade! Saudades da turma também! Forte abraço! WPJ

      Responder

  5. Muito bom ajuda muito a gente tirar algumas dúvidas
    quero acompanhar todos os vídeos que você colocar
    forte abraço.

    Responder

    1. Olá Siginaldo! Muito obrigado pela participação e pelo interesse! Espero contribuir um pouco para a prática de uma endodontia embasada em evidências científicas e com técnicas que tornem a especialidade mais prazerosa para todos! Forte abraço! WPJ

      Responder

  6. Excelente vídeo. Em uma aula com professor Antônio Batista de Curitiba ele aborda esse assunto da mesma forma inclusive sugerindo abertura de anteriores por vestibular quando estes serão restaurados protéticamente (coroas totais). Obrigado pelas dicas.

    Responder

    1. Olá Felipe! Muito obrigado pela participação e pelo elogio. Realmente, o acesso pela vestibular em caso de reabilitação protética é uma opção racional e justicada. Fico feliz que estou falando algo que faz sentido para outras pessoas. Espero contribuir com uma prática mais prazerosa de nossa especialidade. Sucesso! Forte abraço!

      Responder

  7. Meu ponto de vista é o seguinte: se a pessoa consegue fazer um acesso mínimo (chamado de “acesso ninja” em alguns fóruns) e garante uma boa limpeza e formatação do sistema de canais, não vejo problema. Acompanho muitos fóruns nacionais e internacionais e vejo tratamentos endodônticos com acessos inacreditáveis, mas muito bem feitos (obviamente todos realizados com boa magnificação). Enfim, se não houver comprometimento do tratamento, não vejo problema.

    Responder

    1. Olá João! Muitíssimo obrigado pela sua participação! O seu comentário é muito coerente e racional. Também tenho visto tratamentos belíssimos com acessos super reduzidos. Sem dúvida qualquer estrutura sadia é melhor do que qualquer material restaurador. O que me preocupa é que a maioria dos profissionais no Brasil ainda trabalham sem magnificação; mesmo com a magnificação o “acesso ninja” dificulta e pode impedir a visualização correta da entrada de algum canal. O que vemos em apresentações (seja presencial ou na internet…) são apenas os casos de sucesso. Ninguém (ou quase ninguém…) mostra os casos de fracasso, concorda? De qualquer maneira, acho uma discussão válida desde que saibamos a razão verdadeira (qual o ganho) de cada procedimento realizado. Sucesso! Forte abraço, WPJ.

      Responder

  8. Welington, gostei do seu vídeo, acho muito bacana o que vc está fazendo pela odontologia e para a endodontia.
    Sou clinica geral, tenho dois cursos de atualização em endo e minha vontade é fazer a especialização. A endodontia é um universo a parte que precisa de mta dedicação e conhecimento.

    Responder

    1. Olá Virgínia! Muito obrigado pelos elogios e pela sua participação! Sem dúvida a endodontia exige muito daqueles que a ela se dedicam, mas é gratificante quando resolvemos a dor do paciente e tratamos com sucesso as alterações pulpares e periapicais! O caminho é a educação continuada, ininterrupta e de qualidade. E neste aspecto a internet é um universo ainda inexplorado de possibilidades… Forte abraço!

      Responder

  9. Olá professor Welington, primeiramente agradecer por postar vídeos que nos ajude a aperfeiçoar a nossa forma de conduzir o tratamento. Sou clinico geral recém formado, e estou com muita dificuldade no tratamento endodôntico de molares superiores e inferiores, em específico, em achar o canal MV dos primeiros molares superiores. Mestre, por favor, poste uma aula para ajudar nesse sentido, pois sua linguagem é clara e objetiva…. Desde já agradeço….

    Responder

    1. Olá Antonio Carlos Bertti! Muito obrigado pela mensagem e pelos elogios. Pretendo fazer alguns vídeos demonstrando claramente a forma de contorno e localização dos canais. Fique atento que em breve teremos novidades, ok? Sucesso! Forte abraço, WPJ.

      Responder

  10. Gostei bastante!! Gostaria de ver videos sobre instrumentos rotatórios, sou aluna de graduação e não tive nenhuma aula sobre, mas ouço muito falar!
    Abraço.

    Responder

    1. Olá Joice! Muito obrigado pela mensagem e pelo interesse! Fique atenta que em breve colocarei uma aula de instrumentação rotatória, ok? Forte abraço, WPJ.

      Responder

    1. Olá Tetis! Muito obrigado pelo interesse e pela participação! Fique atento que em breve teremos algo relacionado assunto sugerido por você! Forte abraço! WPJ

      Responder

  11. Sem Dúvidas o melhor professor… Meu professor de graduação e da vida vou leva-lo sempre comigo e sempre te acompanhando!! obrigada por compartilhar seu conhecimento.

    Responder

    1. Oi Luyssa! Que mensagem importante para mim, você nem imagina! Fazer a diferença na vida de qualquer pessoa é impactante e emocionante. Espero sempre poder contribuir com seu crescimento e contar com sua amizade. Forte abraço! Welington.

      Responder

  12. Olá professor, adorei os vídeos, e também queria ver um vídeo seu sobre obturação e materiais de NiTi… :)
    Obrigada ! Um abraço!

    Responder

    1. Olá Mariana!
      Muito obrigado pela mensagem e pelo interesse!
      Excelente sugestão de tema! Vou gravar um vídeo bem objetivo e bacana sobre o assunto, ok?
      Forte abraço!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *