Faça Parte Da Lista VIP Junto Com 20.820 Profissionais

Receba um eBook com Protocolos de Terapêutica Medicamentosa

Entre as atribuições do cirurgião-dentista, as urgências em endodontia são uma das mais nobres e importantes missões, pois geralmente refere-se à promoção do alívio da dor do paciente.

Dor é definida como “uma experiência desconfortável e emocional associada com dano tecidual atual ou potencial, ou descrita em termos de tal dano”.

É uma experiência de natureza multidimensional, e é sempre subjetiva e associada com fatores emocionais e cognitivos. Hoje é plenamente aceito que a dor é muito mais do que a mera atividade no nociceptor e caminhos nociceptivos do sistema nervoso suscitados por um estímulo nocivo. A dor é invariavelmente um estado psicológico e pode ser reportada na ausência de dano tecidual ou qualquer causa patofisiológica aparente.

A dor de origem pulpar ou periapical corresponde a aproximadamente 90% dos casos de urgências em consultórios odontológicos, exigindo muitas vezes atendimento em finais de semana, feriados ou em horário “não comercial” para intervenção endodôntica e alívio da sintomatologia dolorosa.

Uma urgência endodôntica ocorre quando há dor ou edema oriundo de processo inlamatório ou infeccioso dos tecidos pulpares e/ou periapicais.

Os principais quadros clínicos associados a dor aguda considerados como urgências endodônticas são:
• pulpite sintomática
• periodontite apical sintomática infecciosa
• abscesso periapical sem fístula
– fase I (inicial)
– fase II (em evolução)
– fase III (evoluído)

Por ser a dor uma entidade psicológica e biológica, o controle da dor odontogênica deve considerar tanto sinais e sintomas físicos quanto o estado emocional do paciente. As necessidades, os medos e a maneira do paciente lidar com a dor devem ser compassivamente entendidos. Esta avaliação e a capacidade do dentista em construir uma relação de confiança com o paciente são fatores fundamentais para o sucesso do tratamento.

As etapas metódicas para determinar um diagnóstico preciso, com base na avaliação da queixa principal do paciente, na revisão de sua história médica e nos protocolos usados para um diagnóstico objetivo e subjetivo, estão detalhadas nas aulas de diagnóstico. Depois de determinada a necessidade do tratamento endodôntico, cabe ao clínico tomar as medidas necessárias para controlar a urgência odontológica.

O clínico tem a responsabilidade de informar ao paciente o plano de tratamento recomendado, alertando-o quanto a alternativas, riscos e benefícios correspondentes e o prognóstico esperado nas circunstâncias do momento.

Com essas informações, o paciente pode optar pela extração em detrimento do tratamento endodôntico ou, eventualmente, solicitar uma segunda opinião. Nunca se deve forçar um plano de tratamento a um paciente. A opção quanto ao tratamento é feita conjuntamente pelo paciente e pelo clínico.

Screen Shot 2015-12-20 at 18.32.17Tomada de decisão clínica (Leles & Freire, 2005).

pulpite_lucianaAo atender um paciente com urgência, o clínico deve determinar o melhor tratamento de acordo com o diagnóstico. O tratamento pode variar dependendo da condição pulpar e periapical, da intensidade e duração da dor e da presença de um edema difuso ou com ponto de flutuação.

Assista abaixo uma aula sobre Urgências Em Endodontia.

Clique aqui para fazer o download do Formulário e Diretrizes de Avaliação da Dificuldade dos Casos da Associação Americana de Endodontia (AAE).

Se gostou, tem dúvidas, críticas ou sugestões, deixe o seu comentário abaixo!

Não deixe de se inscrever no nosso blog e canal do YouTube. Em breve várias outras aulas e material para você aperfeiçoar sua prática clínica.

Sorria! Sucesso!

Forte abraço!

Welington


Welington
Welington

Dentista. Professor. Militar. Coach. Empreendedor. Entusiasta da internet como ferramenta para contribuir positivamente com a sua missão.

    12 respostas a "Urgências Em Endodontia: Como Proceder?"

    • Katiele da Cruz Guimarães Borges

      Gostei muito de ouvir essa aula,relembrar os conhecimentos que nos passou na faculdade. Você é 1000! Obrigada por compartilhar suas experiências profissionais e conhecimento.Abraço.

      • Welington

        Olá Katiele! Muito obrigado mesmo pela mensagem e pelo interesse! É muito gratificante receber mensagens positivas de ex-alunos, que de uma maneira ou de outra deixam sua marca em minha vida e recebem também um pouco da energia emanada por minha missão. Fico muito feliz que tenha absorvido positivamente os meus gestos e palavras durante a graduação e também aqui na internet, porque a minha intenção é essa mesmo: sempre contribuir positivamente para seu desenvolvimento. Conte comigo na caminhada! Forte abraço!

    • Ieda Xavier Guedes

      Oi Welligton o seu trabalho é maravilhoso. me sinto privilegiada de poder receber material tão rico. Pode-se perceber q vc faz com muito amor. Espero nunca deixar de receber. Sou endodontista há um ano e esse material so vem somar. Muito obrigada e Parabéns pela qualidade. Gostaria q vc falasse sobre reabsorção.
      Grande abraço.

      • Welington

        Olá Ieda! Muito obrigado pelo interesse e pelos elogios! Sem rodeios, fico muito feliz em poder contribuir com seu trabalho. Do fundo do meu coração, mensagens como a sua me enchem de alegria e recarregam as baterias para que eu siga em frente. Reabsorção é um excelente tema para aula! Fique atenta ao blog e ao canal do YouTube porque em breve teremos novidades! Novamente, muito obrigado! Forte abraço! Welington.

    • clarissa

      Bom dia, professor! Parabéns por tanta dedicação! Gostaria de saber nos casos de infecção e dor, quando nao há tempo de instrumentar o canal, se o senhor indicaria também o uso de uma bolinha com tricresol formalina. Obrigada e um abraço.

      • Welington

        Olá Clarissa!
        Muito obrigado pelo interesse e participação. Particularmente eu não utilizo o tricresol/formocresol. Quando não consigo instrumentação completa dos canais costumo irrigar e deixar o canal preenchido com hipoclorito de sódio 2,5% e prescrevo antibiótico/analgésico. Entretanto, evito ao máximo iniciar o atendimento se não tenho tempo de concluir o preparo do canal radicular e inserir a medicação intracanal adequada (hidróxido de cálcio) porque pode haver uma agudização do quadro com evolução de uma periodontite apical sintomática para um abscesso periapical sem fístula, por exemplo.
        Sua mensagem me alegra e motiva a continuar. Forte abraço, WPJ.

    • Mauricio Padilha

      Quee top!
      O melhor de tudo é assistir os videos e lembrar das aulas na faculdade,tem tudo nesse blog…Parabéns por essa iniciativa Professor!Como disse no e-mail, estou entusiasmado com a endodontia,se todos os professores fossem como você(preocupados com nosso aprendizado e nao com os fins lucrativos…) ,com certeza seríamos entusiasmados com todas as disciplinas da odontologia… tô curtindo demais esse blog.

      • Welington

        Olá Mauricio! A ideia é essa mesmo Mauricio: oferecer conteúdo relevante para a prática clínica que alcance o maior número de pessoas possível em todos os cantos do Brasil. Muito obrigado pela sua mensagem. Vamos fazer de 2016 o melhor ano de todos! Forte abraço, WPJ.

    • Aline Ruas

      Professor, sinto-me honrada em poder usufruir de uma aula tão esclarecedora. Obrigada e sucesso.

      • Welington

        Olá Aline! Muito obrigado pela sua mensagem tão carinhosa. Saiba que também fico honrado de participar e contribuir em sua formação. Desejo uma caminhada repleta de luz para as melhores escolhas e sabedoria para desfrutar. Forte abraço, Welington.

    • Aline Ruas

      Olá professor, assisto várias vezes essa aula!!! Muito boa!
      Dê uma aula sobre medicações intra canal e soluções irrirgadoras, detalhada.
      Abraço.

      • Welington

        Olá Aline! Mais uma vez muito obrigado pela participação! Sua sugestão já está “na fila para produção”. Forte abraço, WPJ

Deixe um Comentário

Seu email não será publicado.